A revolução do vinho brasileiro e seus reflexos no Estado do Rio de Janeiro

A revolução do vinho brasileiro e seus reflexos no Estado do Rio de Janeiro

Tudo começou com uma conversa entre o médico e produtor de café da cidade de Três Corações, em Minas Gerais, chamado Marcos Arruda e o engenheiro agrônomo com mestrado, doutorado e pós-doutorado na França, Murillo de Albuquerque Regina, um pesquisador da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais, EPAMIG.

Essa conversa aconteceu em 2001, quando o Murillo Regina disse que “onde se faz café bom, se faz vinho bom!” e “O que se precisa é de um maluco para apostar neste projeto”. Essas afirmativas intrigaram o Marcos Arruda, que abriu sua fazenda em Três Corações para o Murillo implantar um projeto pioneiro em Minas Gerais. Assim foi criada a premiada Vinícola Estrada Real e seu vinho de estreia foi o Primeira Estrada Syrah 2010!

WhatsApp Image 2024 04 19 at 19.58.32
Vinícola Inconfidência em Paraíba do Sul

De lá para cá, muitos projetos foram empreendidos no Estado de Minas Gerais, somando mais de 50 vinícolas atuantes naquele estado.

E o Estado do Rio de Janeiro não poderia ficar de fora. Localizado em uma região conhecida pela sua beleza natural e clima tropical, o estado do Rio de Janeiro também abriga algumas vinícolas que têm se destacado no cenário vitivinícola brasileiro. Apesar de não ser uma região tradicionalmente associada à produção de vinho, como Minas Gerais, o território fluminense vem conquistando seu espaço no mapa vitivinícola brasileiro.

Esse processo, desenvolvido por Murillo Regina se chama dupla-poda. Ao invés de podar a videira em agosto e colher a uva em janeiro, como tradicionalmente é feito no Brasil, poda-se em janeiro/fevereiro e colhe-se em julho/agosto. Desta forma, desvia-se o ciclo da videira do verão para o inverno. Assim, o processo de amadurecimento e colheita da uva ocorre em condições de seca, dias ensolarados e noites frias, caracterizando grande amplitude térmica. “Com isso, consegue-se melhores índices de maturação da uva e melhor qualidade da matéria prima, condições estas indispensáveis para se ter qualidade nos vinhos”, afirma Regina.

 

WhatsApp Image 2024 04 19 at 19.57.40
Vinícola Tassinari em São José do Vale do Rio Preto

 

Hoje, segundo o pesquisador Rogério Dardeau, que lançará brevemente a segunda edição atualizada de seu livro “Gente, Lugares e Vinhos do Brasil”, existem cerca de 42 projetos vitivinícolas no Estado do Rio.

Hoje, temos em produção e com possibilidade de visitação e compra de seus vinhos as vinícolas Terras Frias em Nova Friburto, Fattoria Terras Altas em Teresópolis, Família Eloy em Areal, Tassinari em São José do Vale do Rio Preto e, a pioneira em terras fluminenses, a Inconfidência em Paraíba do Sul. As castas produzidas por aqui são bem diversificadas como as brancas Sauvignon Blanc, Chardonnay e Viognier e as tintas Marselan, Syrah, Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Malbec e outras.

 

vinho brasileiro
Vinícola Família Eloy em Areal

 

Em meu Curso Viagem ao Mundo do Vinho, além de ter informações sobre a produção e prática de degustação, aprendendo como escolher e identificar melhores vinhos, coloco muitas informações sobre esta revolução que está mudando o cenário consumidor no país. Os próximos serão em maio em Niterói e junho no Rio de Janeiro.

E, junto com a agência N Destinos, programo e acompanho mensalmente visitas a estas vinícolas, como parte de um programa de disseminar conhecimento e cultura aos participantes, além de um lazer único que é visitar uma vinícola perto de sua casa! Em 18 de maio vamos a Terras Frias em Nova Friburgo.

 

WhatsApp Image 2024 04 19 at 19.55.21
Vinícola Fattoria Terras Altas em Teresópolis

 

Venha comigo nessa aventura que é a Viagem ao Mundo do Vinho!

 

Luiz Barros – Sommelier, Poeta e amante de vinho

@luiz_barros_vinhos

21 99602-6519

Compartilhe este post:
× Como posso te ajudar?